Sobre as XXV Jornadas

Loucuras e amores na psicanálise intitula a reflexão clínica que propomos, inspirados no programa de investigação sobre as psicoses no Campo Freudiano. As psicoses, tanto quanto as neuroses, são loucuras do falante. As diferentes estruturas clínicas são respostas delirantes ao real irrepresentável.

“Todo mundo é louco”, afirmou Lacan, se é que no discurso analítico se pode propor algum universal. De fato, uma tal generalização decorre da experiência da psicanálise, que consiste em acolher a loucura de cada um no trabalho sob transferência.

O laço analítico se funda num amor novo que o dispositivo freudiano instalou.

Para essas Jornadas, convidamos os analistas de nossa comunidade a testemunhar, com breves relatos, como se configuram esses laços hoje, como se articulam o singular de um caso e o particular de uma classe e, ainda, como as patologias amorosas convocam o analista em sua prática.

Angela C. Bernardes
Diretora da EBP-Rio

_______________

O tema de nossas próximas Jornadas, Loucuras e amores na psicanálise, toca em um ponto importante da experiência clínica, política e epistêmica da psicanálise, que é a aposta no sintoma como forma de tratamento do gozo para tornar possíveis os laços sociais. Essa aposta tem consequências na forma como o analista acolhe o mal-estar de seus pacientes, como também na forma como ele se situa no jogo político de sua época, acolhendo o que não está conforme às normas pré-estabelecidas, o que segrega, exclui, esmaga as possibilidades inventivas de cada um para lidar com o que se apresenta como imperativos mortíferos.

O gozo impossível de ser eliminado pode servir como ponto de orientação, mas também de enlouquecimento, se ele não puder ser acolhido como força vital na construção do sintoma a partir dos recursos, os mais variados, que se apoiam no que Lacan se referiu como a pluralização dos Nomes-do-Pai.

O analista é aquele que está atento aos pequenos detalhes que indicam a forma como cada um, neurótico ou psicótico, trabalha para lidar com esses imperativos. A forma de lidar com eles se apresenta, às vezes, como um excesso de normalidade, que não permite ser tocada e, outras vezes, como desvarios que assustam. Deixar-se surpreender por essas modalidades diversas de  tratamento do gozo, sem encaixá-las muito rapidamente em um diagnóstico, é o que vai  permitir surpreender o núcleo traumático no encontro de cada um com a linguagem.  E, poder se dispor ao jogo transferencial que se apoia no amor, não sem a contrapartida do ódio, permite estar atento ao que pode advir daí como sintoma.

E o inconsciente? Como situá-lo no sintoma? Como surpreendê-lo nas loucuras e nos amores na psicanálise? Em que medida o inconsciente continua sendo nosso referencial para irmos do gozo ao sintoma de cada um? O trabalho dos associados do ICP sobre o tema inconsciente e sintoma poderá ser lembrado para trazer uma contribuição ao tema destas Jornadas.

Maria do Rosário Collier do Rêgo Barros
Diretora ICP-RJ

_______________

COORDENAÇÃO

Andréa Reis Santos e Angela Batista

 

COMISSÕES ORGANIZADORAS DAS XXV JORNADAS

  • Comissão Científica

Ângela Negreiros
Maria Silvia Garcia Fernandez Hanna (coordenação)
Paula Borsoi
Romildo do Rêgo Barros
Ruth Cohen

  • Comissão de Divulgação e Mídia

Deborah Uhr
Maria Corrêa
Mariana Pucci
Marina Morena
Marina Sereno
Renata Martinez (coordenação)
Thereza De Felice

  • Comissão de Secretaria de Inscrições

Camila Drubscky
Luiza Sarrat Rangel
Roberta D’Assunção (coordenação)

  • Comissão de Livraria

Alfredo Chamma
Anna Carolina Nogueira (correspondente em Buenos Aires)
Clara Reis
Leonardo Miranda (coordenação)
Patricia Paterson (coordenação)

  • Comissão de Tesouraria

Vicente Machado Gaglianone (coordenação)

  • Comissão de Infraestrutura Local

Anna Luiza de Almeida e Silva
Carolina Dutra
Elena Lerner
Michelle Pastorini
Sandra Landim
Vânia Brito Gomes (coordenação)

  • Comissão de Festa

Isabel do Rêgo Barros Duarte (coordenação)
Manuela da Costa Lino Prati de Aguiar
Paula Legey (coordenação)

  • Comissão de Acolhimento

Dinah Kleve
Fátima Pinheiro (coordenação)
Verbena Dias